quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Fontes para a trilha musical dos jogos de RPG

Olá

Muita gente gosta de usar trilha sonora em seus jogos. Para alguns cenários, a escolha é óbvia, e fácil de encontrar. Entretanto, nem todos permitem que se use trilha sonora de filme ou músicas comerciais, pois isso acabaria com o clima do jogo.

Imagine se na hora do combate os jogadores pararem para escutar ou pior ainda, cantar, a música que eles gostam, por tê-la reconhecido? Estraga qualquer cena, né?

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Prop para RPG: Couro Falso com coador de café usado

 

Essa técnica eu peguei num programa feminino desses que passam na TV, e só dei algumas adaptadas para simplificar e baratear o processo. Mas note que a sequência que parece exagerada de termolina, verniz, e mais verniz, é necessária para que o resultado final fique realmente parecendo couro e não papel colado.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Retrospectiva RPGística da Graci de 2012


Olá

O ano de 2012 foi meio conturbado no que diz respeito a internet e RPG. Briguei com algumas pessoas, me afastei de projetos que eu gostava muito por causa de cabeças-duras ligadas aos mesmos, migrei do Multiply para o Blogger, recusei parcerias, desisti de algumas ideias.

Entretanto, se na internet as coisas deram muito errado, em termos de mesas, foi o contrário. Estabeleci grupos com pessoas muito legais, que jogam e narram bem, e que também são bons amigos. Meus fins de semana foram lotados de mesas, e eu tive de recusar algumas. Conheci sistemas novos, dois dos quais eu narrei sem nunca ter jogado. Foi o um dos melhores anos RPGísticos que eu já tive.

Esta é a Retrospectiva RPGística da Graci de 2012:

sábado, 15 de dezembro de 2012

Promoção Fiasco: Resultado

Bom dia, pessoas!


Gostaria de anunciar o vencedor do Concurso Fiasco:

RenatoN42, com o artigo: Cinco dicas para uma história memorável

O artigo teve 160 visualizações e alguns comentários, contra 36 do segundo colocado e 30 do terceiro, ambos sem comentários válidos


Um e-mail já foi enviado para o Renato, para que ele me mande o endereço para envio do livro. Agradeço a todos que participaram com artigos, lendo e opinando, e desculpe o sumiço.


Graci

domingo, 9 de dezembro de 2012

Concurso Fiasco: atualizações

Olá, pessoas

Infelizmente eu fiquei ausente do blog por motivo de força maior, mas tenho uma boa notícia: como eu não consegui me dedicar à divulgação do projeto, decidi que eu não ia conseguir 10 participantes. A culpa foi minha e eu não sou de prejudicar ninguém pelos meus erros e omissões. Assim, o concurso está valendo com os três artigos que eu recebi dentro do prazo, e a apuração será feita dia 14/12, às 20:00h :

Morte no RPG

Extraterrestres em um mundo medieval

Cinco dicas para uma história memorável


Nada está decidido ainda!

Divulguem seus links para ter chances de ganhar o livro.


Graci

Legend of the Five Rings em português?


Olá, pessoas

Estive sumida do blog por motivos de força maior, mas hoje trago para vocês uma boa e uma má notícia.

A boa é o início do financiamento coletivo do RPG “Lenda dos Cinco Anéis”, pela Catarse:


A ruim é o histórico de picaretagens que envolve o dono do projeto, o Claudio Muniz, que convenientemente assinou o projeto na Catarse como “Carlos Roberto”.


Vou colar aqui uns trechos de uma lista de discussões de RPG, o post original e toda a conversa podem ser lidos aqui (se você fizer parte do grupo).

“Ele trabalhava para/era um dos donos/era editor/sei lá o quê da Mitsukai, uma editora que surgiu de repente e desapareceu tão rápido quanto no mercado brasileiro de RPGs, lá por 2002-2003. Eles começaram publicando um sistema próprio (Utopia, acho) com alguns livros básicos (um de simbiontes, outro de um cenário chamado Utopia). Depois lançaram uns livros d20 alternativos (eram módulos de campanha sem cenário específico, com coisas como aventuras no céu, em cidades e barcos voadores) e um jogo, "Imortal", para um novo cenário estilo WoD chamado "Mundo de Revelações", que usava o sistema Daemon. Eles tinham tudo um projeto para mais produtos, mas aí sumiram do mapa.
Pelo que entendi, conversando por e-mail com o Muniz, a Mitsukai era uma gráfica que tentou virar editora. Eles tinham um monte de idéias, mas acho que arriscaram demais e nada deu certo.
Acho que a iniciativa mais bizarra deles foi uma proposta dos clientes pagarem uma "assinatura" para receberem livros de RPG mensalmente por um ano. Imagino que isso aí deu muito problema, e não deu o retorno esperado, visto que a editora sumiu pouco depois.”


“Bem, o Cláudio teve acesso (sei lá como) a um pdf provisório de um cenário de campanha que eu e um amigo escrevemos desde 1997, o Legião "Segunda Era das Trevas" (alguém conhece/lembra?). Pois bem. Nesta época já estava morando em Curitiba e recebo um email às vésperas do EIRPG de 2003 do Cláudio, dizendo que gostou muito do material, que queria publicá-lo, que não mostra-se pra ninguém e etc, e que fosse até SP pra uma reunião com ele e com o editor das linhas de RPG da Mitsukai.
Pois bem, como já queria conhecer o EI peguei um avião e fui pra SP.
Chegando lá fui procurar o stand da Mitsukai e achei o Cláudio. De início ele mal falou comigo direito. Parece que nem se lembrava de mim. Perguntei pra ele onde poderíamos conversar, e tive que ter uma "reunião" de trabalho na fila do cachorro quente. Entreguei pra ele uma cópia do Legião (e na última página, uma cópia do Registro na Biblioteca Nacional) para que ele avaliasse. Ele folheou o livro enquanto comia, sujou tudo de molho de tomate e me fez uma proposta. Eu assinaria um contrato de exclusividade com ele e ele colocaria o Legião como um segundo continente do Kriptus, um mundo medieval que ele estava na iminência de lançar.
Eu fiquei receoso e aí de supetão ele me disse que além de entregar o Legião pra ele deturpar do jeito que ele quisesse eu ainda teria de entrar de sócio no meu livro, pagando R$ 5.000,00.
Eu dei uma boa risada, agradeci, me levantei e fui ver o leilão de jogos usados!
E olha que me parece que ele assediava um monte de autores da net. Atirava pra tudo quanto era lado. Era uma espécie de "pedófilo rpgístico".
Quando a Mitsukai acabou eu não me surpreendi nem um pouquinho.
Mais alguém tem alguma história com a Mitsukai? Eu sei de mais 2, mas prefiro não comentar por que não são minhas histórias!”


Eu me preocupo. O financiamento coletivo está mal feito, com falhas e dá a entender que vai sair mesmo que consigam menos dinheiro. Pois bem, quando se faz um financiamento desses, mesmo que falte 10 centavos para o valor proposto, no caso R$ 30.000,00, o projeto não sai. Os colaboradores recebem o dinheiro de volta. Não é permitido alterar o valor do projeto depois dele criado. Inclusive uma dúvida pertinente é se ele já possui os direitos autorais do livro, uma vez que no texto ele fala que os 8000 seriam para pagar direitos autorais.

Os comentários no próprio financiamento coletivo falam por si:


Sim, eu espero que esse livro saia, que seja bom, que tudo o que eu ando lendo nas listas de discussão seja excesso de preocupação de gente que já foi lesada por esse indivíduo (ou que conhece gente que já foi), mas só acredito vendo. Colabore se você quiser, eu prefiro esperar sair para ver se está bom, e comprar na livraria depois do lançamento.




Link de interesse: